Empregos nos EUA surpreendem em janeiro e azedam mercados

Economiadados econômicos

Empregos nos EUA surpreendem em janeiro e azedam mercados

Confira o resultado do payroll e descubra sua relação com a política de juros do país.

Payroll. Imagem: Freepik.

A economia dos Estados Unidos criou 353 mil empregos em janeiro, em termos líquidos, segundo relatório publicado nesta sexta-feira, 2, pelo Departamento do Trabalho do país. O resultado ficou bem acima do teto das expectativas de analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que variavam de 150 mil a 290 mil postos de trabalho, com mediana de 195 mil.

O relatório, conhecido como payroll, mostrou ainda que a taxa de desemprego dos EUA ficou em 3,7% em janeiro, inalterada em relação a dezembro. A previsão era de que a taxa subiria a 3,8% no mês passado.

O Departamento do Trabalho também revisou para cima os números de criação de empregos de dezembro, de 216 mil para 333 mil, e de novembro, de 173 mil para 182 mil.

Em janeiro, o salário médio por hora teve alta de 0,55% em relação a dezembro, ou US$ 0,19, a US$ 34,55, variação que ficou acima da projeção do mercado, de 0,30%. Na comparação anual, houve ganho salarial de 4,48% no último mês, superior à previsão de 4,10%.

O que os dados fortes do payroll significam?

Existia uma expectativa forte dos mercados acerca de redução de juros nos Estados Unidos já na próxima reunião do Comitê de Mercado Aberto (FOMC) do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). Mas essas apostas estão diminuindo mês a mês.

Como lembra Alessandro Bam, especialista em macroeconomia, Jerome Powell, o presidente da autarquia, afirmou nesta quarta-feira (31), durante a coletiva após a primeira decisão de juros do ano, que para que sejam feitos cortes nos juros, são necessários mais dados positivos acerca da economia - e da inflação convergindo para a meta de 2%.

Nesse cenário, o resultado muito além do esperado para a criação de empregos acaba colocando o panorama ainda mais desfavorável para uma decisão de corte de juros na próxima reunião do FOMC. "O dado [payroll] em si é positivo para a economia, mas, para o Banco Central, se a economia está muito forte, não há motivo para mais estímulos, ou seja: baixar os juros", explica Bam.

"A fala de Powell nesta semana refletiu a sua insegurança quanto à manutenção da queda da inflação. Nesse sentido, um mercado de trabalho forte pode significar manutenção dos juros norte-americanos no mesmo patamar por mais tempo, ou até mesmo o risco de uma nova alta nos juros", explica o especialista.

Reação dos mercados

Após a surpresa acerca do mercado de trabalho, o índice Dow Jones Industrial reagiu negativamente, e cerca de uma hora após a divulgação do dado, o índice caía 0,42%, aos 38.3 mil pontos.

E você, o que achou dos dados do mercado de trabalho dos EUA? Qual o rumo dos juros por lá? Comente conosco!

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 04 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://moneynownews.com.br/

Cron Job Iniciado