Após derrota no Congresso, Milei dá sinais de que pode governar por decreto

Após derrota no Congresso, Milei dá sinais de que pode governar por decreto

 Os títulos argentinos sofreram uma queda significativa após a coalizão governante devolver o pacote de reformas

O presidente da Argentina, Javier Milei - (Tomas Cuesta/Getty Images)


Os títulos argentinos sofreram uma queda significativa após a coalizão governante devolver o pacote de reformas do presidente Javier Milei ao estágio inicial no Congresso, devido à falta de votos para a aprovação. Isso gerou uma reação negativa nos mercados emergentes, com os títulos apresentando perdas em toda a curva. Os títulos de referência com vencimento em 2030 tiveram a maior queda desde outubro, enquanto as notas com vencimento em 2041 também caíram substancialmente.

Este revés político é visto como um sinal de fraqueza governamental e falta de habilidade política por parte do governo. O Projeto de Lei Omnibus, principal iniciativa de Milei no legislativo, foi aprovado em votação geral na semana anterior, mas enfrentou resistência em votações individuais para cada artigo no Congresso.

O governo está considerando várias medidas, incluindo um referendo, para levar as reformas de austeridade de Milei diretamente aos eleitores. Enquanto isso, Milei expressou sua frustração nas redes sociais, criticando os membros do congresso e prometendo avançar com seu programa econômico, mesmo sem o apoio da classe política.

Embora haja dúvidas sobre a capacidade de Milei de aprovar suas reformas sem causar distúrbios sociais, muitos investidores veem seu plano ambicioso como a melhor esperança para enfrentar a inflação alta e reverter a recessão econômica do país. As expectativas em torno do governo de Milei impulsionaram parte da dívida em dólares da Argentina para o seu nível mais alto em mais de três anos. 

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Segunda, 04 Março 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://moneynownews.com.br/