Declínio da Indústria Têxtil Americana e Seu Impacto sobre a Produção de Algodão

Declínio da Indústria Têxtil Americana e Seu Impacto sobre a Produção de Algodão

A indústria têxtil, que já foi um pilar da economia do sul e uma grande consumidora de algodão, vê agora a sua demanda em forte declínio pelas fábricas dos Estados Unidos 

Por IA

Durante a Exposição Mundial de Chicago em 1893, uma série de inovações emblemáticas da indústria americana foram apresentadas ao público, incluindo a estreia da primeira roda gigante e do zíper. No entanto, foi a representação de mais de 200 fabricantes de tecidos, dos quais mais de 60 eram especializados em algodão, que verdadeiramente capturou o espírito nacionalista de milhões de visitantes.

De acordo com uma edição do Davison's textile Blue Book, publicada após o evento, o crescimento e a habilidade demonstrados pela indústria têxtil americana eram motivos de orgulho nacional. A publicação enfatizava que a indústria têxtil sinalizava um futuro promissor para o país, uma percepção que, infelizmente, não se sustenta mais.

A indústria têxtil, que já foi um pilar da economia do sul e uma grande consumidora de algodão, vê agora a sua demanda em forte declínio pelas fábricas dos Estados Unidos. Na época da feira de Chicago, existiam quase 900 fábricas de processamento de algodão no país, número que atualmente se reduziu a cerca de 100, conforme estimativas do Conselho Nacional do Algodão. Este declínio foi marcado pelo fechamento de oito fábricas nos últimos cinco meses de 2023.

Com a indústria têxtil nacional enfrentando um declínio acentuado, os agricultores de algodão, que estão iniciando o plantio de milhões de hectares este mês, enfrentam uma probabilidade cada vez menor de encontrar compradores locais para suas colheitas futuras.

Em diversos setores, um recente renascimento tem trazido de volta aos Estados Unidos várias indústrias que anteriormente haviam se mudado para o exterior, particularmente em casos em que essa realocação pode contribuir para a redução de problemas logísticos e tensões geopolíticas. Isso é notavelmente evidente em áreas como a de semicondutores e a produção de metais industriais essenciais para estabelecer uma cadeia de suprimentos doméstica para veículos elétricos.

Contudo, o setor têxtil não é percebido como tendo a mesma relevância estratégica que semicondutores ou certos minerais, de acordo com Erin McLaughlin, economista sênior do Conference Board, uma organização de pesquisa independente. Apesar disso, a pandemia de COVID-19 evidenciou a importância crítica do setor têxtil nos Estados Unidos, especialmente com a demanda urgente por equipamentos de proteção individual, como máscaras, destacando a necessidade de reavaliar a importância deste setor.

As estatísticas são preocupantes. Prevê-se que, neste ano, as fábricas têxteis americanas processem a menor quantidade de algodão em quase um século e meio. De acordo com os dados do Bureau of Labor Statistics, o nível de emprego no setor têxtil em 2023 atingiu o seu ponto mais baixo em mais de 30 anos, evidenciando uma significativa retração do setor.

Os agricultores dos Estados Unidos continuam dedicados ao cultivo de algodão para mercados internacionais, enfrentando, contudo, adversidades nesse setor: pela terceira vez consecutiva, espera-se uma redução nas exportações de algodão dos EUA, situando o Brasil, o segundo maior exportador mundial, à beira de se tornar líder desse mercado.

O declínio da indústria têxtil doméstica é resultado de décadas de competição com produtos mais acessíveis produzidos no exterior, bem como a preferência crescente por materiais sintéticos. Políticas recentemente implementadas pelo governo dos EUA também contribuíram para acelerar essa queda. Em 2016, o Congresso modificou a Lei Tarifária de 1930, permitindo isenções fiscais para importações de encomendas de valor inferior a 800 dólares, uma mudança que beneficiou significativamente o comércio eletrônico e a moda rápida internacional, especialmente com o crescimento de marcas como a Shein durante a pandemia. Esses fatores, juntamente com o aumento dos estoques e a inflação, diminuíram ainda mais a demanda doméstica pelo algodão cultivado localmente.

Um exemplo disso é a 1888 Mills, localizada em Griffin, Geórgia, conhecida pela produção de tecidos macios como toalhas desde a aquisição da fábrica em 1996. A empresa, a última do gênero nos EUA, anunciou o fechamento da planta em janeiro e a demissão de 180 funcionários em abril, mantendo em operação suas instalações em países com custos de produção mais baixos, como Paquistão e Bangladesh.

Apesar dos investimentos em novos equipamentos, automação e treinamento de funcionários para aumentar a competitividade, Lexi Schladenhauffen, diretora de experiência da 1888 Mills, admitiu que tais esforços foram insuficientes para alterar a situação desfavorável da empresa. O fechamento da fábrica representa uma grande decepção e perda para a indústria.

Houve momentos em que a indústria do algodão nos Estados Unidos experimentou sinais de recuperação. Uma dessas ocasiões ocorreu na década de 1990, quando iniciativas como a Iniciativa da Bacia do Caribe e o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) promoveram a exportação de fios e tecidos de algodão americanos para serem transformados em vestuário em outros países, que depois era reimportado para venda nos EUA, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. No entanto, esse ressurgimento foi breve, pois a introdução pela Organização Mundial do Comércio (OMC) de políticas que eliminaram as quotas de importação de têxteis e vestuário em 1995 facilitou para países como a China aumentar suas exportações para os Estados Unidos.

Mais recentemente, em 2021, houve um ligeiro aumento na demanda, impulsionado pelos cheques de estímulo do governo distribuídos após os bloqueios causados pela pandemia, levando os consumidores a aumentarem suas compras. Contudo, essa recuperação foi efêmera. As empresas aumentaram seus estoques para atender à demanda crescente no exato momento em que os consumidores começaram a redirecionar seus gastos para viagens e entretenimento, diminuindo assim o interesse pelos produtos têxteis.

Este artigo ilustra a trajetória de declínio da indústria têxtil nos Estados Unidos, uma vez considerada um pilar da economia nacional, especialmente notável pela sua demanda por algodão. Desde os seus dias de glória, exibidos na Feira Mundial de Chicago em 1893, até a situação atual, o setor enfrenta desafios sem precedentes que vão desde a competição global até mudanças nas políticas de importação e um deslocamento para materiais sintéticos. As alterações na Lei Tarifária de 1930 e o impacto da pandemia, com a rápida ascensão do comércio eletrônico e das marcas de fast fashion, exacerbaram a situação, levando ao fechamento de fábricas e à redução drástica do emprego no setor.

Embora tenham ocorrido breves períodos de recuperação, impulsionados por políticas comerciais favoráveis e estímulos econômicos, esses momentos não foram suficientes para reverter a tendência de declínio. O caso da 1888 Mills em Griffin, Geórgia, exemplifica o desafio enfrentado pelas empresas têxteis americanas em adaptar-se a um mercado globalizado e em constante mudança.

Este cenário não apenas destaca a volatilidade e a vulnerabilidade da indústria têxtil nos EUA, mas também sublinha a necessidade de inovação e adaptação em face dos desafios globais e domésticos. A história da indústria têxtil americana serve como um lembrete da importância de políticas e estratégias econômicas que promovam a sustentabilidade e a competitividade em um mundo em rápida evolução.

Fonte: Bloomberg línea. 

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 26 Mai 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://moneynownews.com.br/